Home
 
Página Inicial
Saiba mais sobre o escritório
Conheça a equipe
Notícias jurídicas e do escritório
Relação de links
Cadastre-se e receba novidades
Fale conosco
 
     
   
 
Porto Alegre/RS
Rua Umbú, 178
(51) 3345.1444


São Paulo/SP
Rua Ribeiro de Barros, 78
(11) 3862.4587
veja os endereços completos
 
  konb - design, comunicação
Home > Notícias > Jurídicas > Criança com puberdade precoce receberá medicamento gratuito

Criança com puberdade precoce receberá medicamento gratuito
A 2ª Câmara de Direito Público do TJ, por votação unânime, deu provimento parcial ao recurso necessário do Estado de Santa Catarina, face à sentença da Comarca de Blumenau, e determinou o fornecimento do medicamento “Luprom 3,7 mg” – pelo período de três anos – para uma criança que sofre de “puberdade precoce”.

A doença é causada pela liberação prematura de hormônios que afetam os órgão sexuais. Conforme o relator do processo, desembargador substituto Jaime Ramos, a sentença de 1º Grau foi reformada apenas para que a paciente apresente periodicamente a comprovação da necessidade da medicação. A ação foi movida pelo Ministério Público. Conforme consta nos autos, os pais da criança não possuem recursos financeiros suficientes para comprar o remédio e, após solicitar o remédio na Secretaria Estadual de Saúde, tiveram o pedido negado administrativamente sob o argumento de que a paciente não preenche os critérios de inclusão para ser tratada com o remédio pleiteado. “Os documentos expedidos pelo médico assistente dela são suficientes para demonstrar a necessidade de usar o medicamento receitado. Aliás, o Estado nem mesmo esclarece quais os ‘critérios de inclusão’ que a paciente deveria satisfazer, já que nenhum outro, além da comprovação da doença, da receita médica e da hipossuficiência financeira seriam exigíveis”, ressalta o magistrado. O Estado alega, entre outros motivos, a ilegitimidade ativa do MP em propor Ação Civil Pública cujo objetivo visa prestar medicamento apenas para uma criança além da ausência de previsão orçamentária para a aquisição de tal medicamento. “ O Ministério Público pode utilizar-se da Ação Civil Pública na defesa de interesses individuais indisponíveis, desde que estes estejam vinculados à tutela de algum interesse transcendental de toda a sociedade, sendo no caso dos autos o acesso à saúde e a proteção do direito à vida, especialmente de uma criança”, afirma o relator. Para o magistrado, o fato de se colocar em risco um bem maior que é a vida, que a qualquer momento poderá sucumbir em razão da suspensão ou interrupção do fornecimento dos remédios indispensáveis ao controle da doença, é motivo mais do que suficiente para justificar a dispensa do procedimento licitatório e da prévia autorização orçamentária. (Apelação Cível nº. 2007.005127-3)

Fonte: tj.sc.gov.br


Home | Escritório | Equipe | Notícias | Clientes | Cadastro | Contato | Termos de Uso
© Copyright 2007, Cravo Advogados Associados Ltda.