Home
 
Página Inicial
Saiba mais sobre o escritório
Conheça a equipe
Notícias jurídicas e do escritório
Relação de links
Cadastre-se e receba novidades
Fale conosco
 
     
   
 
Porto Alegre/RS
Rua Umbú, 178
(51) 3345.1444


São Paulo/SP
Rua Ribeiro de Barros, 78
(11) 3862.4587
veja os endereços completos
 
  konb - design, comunicação
Home > Notícias > Jurídicas > Cruzamento de dados: A nova forma de fiscalizar da Receita Federal que vem atormentando os contribuintes

Cruzamento de dados: A nova forma de fiscalizar da Receita Federal que vem atormentando os contribuintes


Nos últimos anos, as pessoas físicas e jurídicas estabelecidas no País vêm sendo totalmente "despidas" pela Secretaria da Receita Federal (SRF). A utilização de recursos de informática fez com que a fiscalização in loco fosse praticamente deixada de lado, em detrimento da fiscalização eletrônica, mais rápida e eficiente. Foram criados vários mecanismos, muitos até questionáveis, que obrigam, tanto o contribuinte diretamente quanto aqueles que transacionam com ele, a fornecer dados das mais diversas naturezas, através de declarações.

Levantamentos recentes indicam que em 1995 havia 07 (sete) declarações, das quais 02 (duas) eram comuns a todas as pessoas jurídicas. Atualmente, existem cerca de 26 (vinte e seis) declarações, sendo apenas 04 (quatro) comuns. Estas declarações devem ser entregues em períodos mensal, trimestral, semestral e anual, estando sujeito a multas de valores expressivos aquele contribuinte que não cumprir com a citada obrigação ou fazê-lo com atraso.

Dentre as declarações a serem prestadas ao fisco, destacam-se:
DIPJ - Utilizada para que as pessoas jurídicas detalhem informações econômico-fiscais de suas operações;
DIRPF - Feita para que as pessoas físicas declarem os seus rendimentos, determinados gastos, patrimônio, dívidas, etc.;
DACON - Visa a apurar o PIS/Pasep e a Cofins;
DCTF - Tem como função demonstrar todos os débitos e créditos tributários da pessoa jurídica perante a SRF;
DECRED - Utilizada pelos operadores de cartões de crédito para fornecerem dados de operações de clientes cujos valores sejam superiores a R$5.000,00;
DIMOB - Tem o objetivo de dar informações sobre operações imobiliárias - incorporação, venda, aluguel, etc.; e
DIRF - Desenvolvida para que tomadores de serviços declarem os tributos retidos dos respectivos prestadores.

Além disso, a SRF tem acesso a informações relativas ao ICMS, fornecidas pelas secretarias de fazenda dos estados, à aquisição de veículos, via Renavam, aos barcos e lanchas, através da Capitania dos Portos, e às aeronaves, por meio do DAC.

De posse deste banco de dados, a SRF passa a fazer diversos cruzamentos na busca de inconsistências que venham a indicar sonegação de tributos. A prática tem demonstrado que, na maior parte das vezes, estas incoerências são fruto do preenchimento incorreto das diversas declarações obrigatórias motivado pela sua complexidade.

Ainda assim, a SRF tem por regra autuar o contribuinte por meio dos chamados "autos-de-infração automáticos" e aguardar sua manifestação. Este, por sua vez, deve proceder à defesa administrativa, demonstrando e corrigindo os erros que provocaram a aludida inconsistência e, conseqüentemente, a autuação.

Por fim, vale destacar que o excessivo número de obrigações acessórias a serem cumpridas pelo setor contábil-fiscal - principalmente o fornecimento de dados por meio das declarações - vem trazendo transtornos e custos adicionais aos contribuintes. Tal situação deve-se, principalmente, ao fato de a contabilidade utilizada como ferramenta gerencial estar sendo "engolida" pela exagerada necessidade de geração de informações para a SRF, o que motiva o aumento da estrutura administrativa das empresas e / ou a contratação de consultorias especializadas.

Fonte: ibpt.com.br


Home | Escritório | Equipe | Notícias | Clientes | Cadastro | Contato | Termos de Uso
© Copyright 2007, Cravo Advogados Associados Ltda.